Futuro secretário de Trabalho pretende restringir terceirizações no DF

Escolhido para ser o secretário de Trabalho no governo de Ibaneis Rocha (MDB), João Pedro Ferraz (PPL) reafirmou nesta quarta-feira (28/11) a promessa de campanha do futuro chefe: incentivar a geração de emprego e renda para alavancar a economia da capital.

Ao Metrópoles, o ex-procurador-geral do Ministério Público do Trabalho (MPT) disse que esse será um dos principais desafios da sua gestão. “O desemprego no Brasil é acentuado e o Distrito Federal é uma região que não possui nenhum polo industrial. Também vamos investir na capacitação profissional dos jovens visando o primeiro emprego”, comentou.

O futuro secretário de Trabalho informou que uma das prioridades é a inspeção da Fundação do Serviço Social (Sine) e das agências do trabalhador. “Esse será o nosso primeiro projeto: ver como estão as estruturas para receber os trabalhadores. Depois, naturalmente, vamos tentar equipar todos os órgãos da secretaria para melhor atender”, explicou.

Segundo Ferraz, que foi candidato ao Senado Federal neste ano, a pasta apoiará o micro e pequeno empreendedor, outra bandeira da campanha do emedebista. “Eu apoiava Ibaneis desde a época das eleições, pois temos uma relação pessoal e profissional, mas, ontem, a equipe de transição me convidou e eu aceitei”, conta.

O futuro secretário também se posicionou contrário às terceirizações. “Quando é feita de forma responsável, com salários corretos, por exemplo, tudo bem, mas do jeito que está eu sou totalmente contra. A legislação precisa melhorar. E enquanto eu estiver à frente da secretaria, vou restringir”, garantiu.

Ferraz vai se reunir pela primeira vez na tarde desta quarta, às 16h, com o grupo de transição. O encontro ocorrerá no Centro Internacional de Convenções do Brasil (CICB). “Eles vão apresentar um relatório sobre a situação no DF. A partir disso, vou buscar junto ao governador e aos órgãos federais recursos para atender o cidadão da melhor forma possível”, disse.

Desemprego
Levantamento divulgado pela Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan), nesta quarta-feira (28), mostra que a taxa de desemprego no DF aumentou de 17,9% em setembro para 18,4% em outubro. O número de ocupados diminuiu 0,9% e foi estimado em 1,363 milhão de pessoas em outubro – 12 mil a menos do que no mês anterior. Ao total, são 308 mil pessoas desempregadas na capital da República.

Fonte: Metrópoles 


SindesvDF Sempre Vigilante em Defesa da Categoria

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.