Presos ladrões que explodiram caixas eletrônicos no Anexo do Buriti

Quadrilha também foi responsável por roubos no Pier 21, Gilberto Salomão, Clube do Senado e em um hotel de luxo

Uma organização criminosa estruturada, com hierarquia definida e um arsenal à disposição começou a ser desmantelada pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF). A quadrilha é responsável pelas cinco maiores explosões em caixas eletrônicos nos últimos 12 meses na capital, incluindo as ações no prédio Anexo do Palácio do Buriti, no Shopping Pier 21, no Centro Comercial Gilberto Salomão, na Associação dos Servidores do Senado Federal (Assefe) e no hotel Golden Tulip, próximo ao Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência da República.

Ao todo, 10 integrantes do bando foram identificados, sendo que quatro deles já estão presos. As apurações, conduzidas pela Delegacia de Repressão a Furtos (DRF), vinculada à Coordenação de Repressão aos Crimes Patrimoniais (Corpatri), intensificaram-se depois da ação audaciosa no Golden Tulip, onde cerca de R$ 470 mil foram levados dos caixas. Estima-se que o grupo tenha faturado perto de R$ 1 milhão.

As novas linhas de investigação chegaram a até dois suspeitos que tinham como responsabilidade “guardar” os carros usados para a fuga da quadrilha após as explosões. Andrevaldo Ferreira de Souza, 27 anos, e Fernando Barbosa Alves, 26, confessaram a participação  nas ações.

Em seguida, os investigadores da DRF identificaram o “piloto” da quadrilha, escolhido para empreender fuga após os crimes. Mikael Mafra Dantas, 25 anos, também está preso e recebia cerca de R$ 4 mil, pagos com o dinheiro furtado dos caixas, para dar fuga aos criminosos.

Padrão de atuação
As investigações conseguiram identificar o modus operandi da quadrilha. Os integrantes do grupo sempre planejavam os ataques depois de acompanhar, durante dias, a rotina dos locais que seriam alvo das explosões.

A organização criminosa agia na madrugada, fortemente armada e amparada por dois veículos. Um dos carros sempre era incendiado após a ação, e os criminosos fugiam no outro, apelidado de “segundinha”.

Além do “piloto”, que tinha a responsabilidade de sair do local com os integrantes da quadrilha após as explosões, havia os homens que escondiam os veículos em local discreto. Na linha de frente do bando, os “explosivistas” tinham a missão de abrir buracos nos caixas eletrônicos.

Outros dois indivíduos fortemente armados tinham como atribuição garantir um perímetro de segurança e render vigias e seguranças, além de amarrá-los em algum local, como salas e banheiros. Os dois responsáveis eram, justamente, os líderes da quadrilha, identificados como Thiago Alves Simões, 28 anos, e Jaisson Alves de Jesus, 27.

Foragidos
Thiago é apontado pela polícia como o mentor intelectual das explosões. Além de ser um dos braços armados da quadrilha, o criminoso organiza toda a logística, o posicionamento e a cronologia das explosões. Conhecido como TH, o suspeito – que está com a prisão preventiva decretada – também era o responsável pela partilha do dinheiro retirado dos caixas eletrônicos.

Jaisson, outro foragido apontado como figura de destaque na quadrilha, tinha uma função fundamental nas ações. Com habilidades em marcenaria, o suspeito produzia os próprios explosivos usados nas ações. O bando comprava rojões em lojas de fogos de artifício para retirar a pólvora.

Em seguida, Jaisson produzia recipientes de um material chamado “metalon”, espécie de tubo metálico galvanizado. Os explosivos eram moldados artesanalmente e usados nos ataques.

Segundo o coordenador da Coordenação de Repressão aos Crimes Patrimoniais, delegado André Leite, não existe qualquer ligação entre a quadrilha e facções criminosas, como se chegou a cogitar.

“São criminosos do DF e do Entorno que chegaram a um nível de organização capaz de realizar esses ataques. Com novas linhas de investigação, tivemos sucesso em identificar todos e prender metade do bando. É questão de tempo até que todos estejam atrás das grades”, afirmou o delegado.

De acordo com o delegado da Delegacia de Repressão a Furtos, Fernando Cocito, que apura o caso, novas prisões devem ocorrer nos próximos dias. “É importante ressaltar que conseguimos provas irrefutáveis da participação dessa organização criminosa em todos os grandes casos de explosões a caixas eletrônicos que estavam sem autoria. A partir daí, conseguimos localizar parte do bando e evitar novos ataques. Os outros autores estão sendo procurados”, disse.

Perícia
Peritos da Seção de Incêndio e Explosão, vinculada ao Instituto de Criminalística da PCDF, são responsáveis pela perícia no local dos roubos. Eles explicam que as ações criminosas costumam durar, no máximo, três minutos. Apesar do risco, a busca por dinheiro fácil segue atraindo os bandidos. O Instituto de Criminalística detectou a evolução de alguns bandos na prática de crimes contra terminais eletrônicos.

“É um desafio porque a maioria desses suspeitos já passaram pela prisão, sabem exatamente as evidências que vamos procurar e se especializam cada vez mais. Nossa equipe está em constante trabalho de inovação e qualificação”, pontua o perito criminal Vitor Rossi.

De acordo com a perita Camila Guesine, os grupos nunca agem apenas uma vez. Ela explica, ainda, que os policiais analisam o tipo de explosivo usado, vídeos, identificam o modus operandi da quadrilha e recolhem digitais. “As ocorrências diminuíram bastante. Estamos com média de uma por mês. Fica uma equipe de sobreaviso só para atender esses casos. Trata-se de um crime premeditado e praticado por quadrilhas extremamente organizadas, que nunca agem apenas uma vez”, ressalta.

Memória
O primeiro crime foi cometido pelo bando em 24 de julho de 2018, no Anexo do Palácio do Buriti. A explosão ocorreu por volta de 3h40. Os equipamentos estavam instalados na área do restaurante dos servidores. De acordo com a Polícia Militar, os suspeitos estavam fortemente armados e fugiram em um Palio branco. Durante a ação, os bandidos efetuaram de dois a quatro disparos no local.

Viaturas da PM e um helicóptero da Polícia Civil realizaram buscas e, minutos depois, um veículo foi encontrado pegando fogo nas proximidades do Estádio Nacional Mané Garrincha e do Colégio Militar de Brasília.

Após verificação, os policiais confirmaram que se tratava do automóvel envolvido no crime. No local da explosão, foram encontradas cápsulas de munição 5,56 mm. Cerca de R$ 6 mil ficaram espalhados pelo chão.

O segundo ataque foi no Shopping Pier 21, em 22 de outubro do ano passado. Novamente portando armas de calibre restrito e, até mesmo, fuzil, os criminosos explodiram dois caixas eletrônicos. O grupo amarrou os vigilantes que faziam a segurança do centro comercial. Durante a fuga, trocaram tiros com policiais militares. Um dos carros utilizados foi abandonado no acesso que vai da L4 Sul para a L2 Sul.

O grupo disparou pelo menos oito vezes contra os PMs, que revidaram. Cinco bandidos vestidos com balaclavas – para tapar os rostos – chegaram em um Mitsubishi Pajero e um deles permaneceu no veículo. Enquanto isso, os outros quatro entraram por trás do shopping e montaram os explosivos.

De acordo com a PM, um dos bandidos se feriu na explosão. Quando um comparsa foi socorrê-lo, um dos seguranças conseguiu escapar. Durante a fuga, o grupo lançou objetos pontiagudos de metal na pista, com objetivo de furar os pneus das viaturas da PM e, assim, dificultar a perseguição.

Em 13 de dezembro passado, a quadrilha explodiu dois caixas eletrônicos em um supermercado que funciona no Centro Comercial Gilberto Salomão, no Lago Sul. De acordo com a PM, os caixas ficaram completamente destruídos.

O bando teria usado um carro branco na fuga, que foi abandonado na Estrada Parque Indústria e Abastecimento (Epia), na altura da floricultura próximo à Octogonal. No local, os bandidos renderam um motorista e levaram seu veículo.

Veja a ação da quadrilha:

De acordo com as imagens de câmeras de segurança, enquanto um criminoso armado rendia um dos funcionários, outros dois comparsas forçaram a abertura dos equipamentos com auxílio de uma barra de ferro. Os equipamentos ficam ao lado das escadas que dão acesso ao restaurante do hotel. Só tem acesso ao local quem passa pela guarita.

Os homens colocaram explosivos no local e detonaram os artefatos. Toda a ação durou cerca de dois minutos. Um dos carros usados na fuga dos bandidos foi encontrado pela polícia na Asa Norte.

Fonte: Metrópoles

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.